Autor: Ana Paula Chinelli

Destaques Genoma

Colaboração de CePID da USP com Harvard chega a gene que deixa cães com distrofia sem sintomas

Um gene ligado a processos de regeneração muscular está fortemente ativado em cães que, embora sofram de distrofia muscular, apresentam poucos sintomas da doença, afirma artigo da revista Cell. Até agora desconhecida, a associação entre o gene Jagged1 e a doença de Duchenne abre novas possibilidades de tratamento, com base no entendimento do mecanismo que protege esses cães excepcionais. Em humanos, a distrofia muscular de Duchenne afeta um entre 3 a 5 mil meninos e não tem cura.

Foto: Ana Paula Chinelli
Genoma Reportagens

O Centro do Genoma Humano da USP e os 50 anos de estudo da distrofia muscular

Em 1968, quando Mayana Zatz começou a pesquisar, pouco se sabia sobre a distrofia muscular de Duchenne. Naquela época, ela era estudante de biologia no Instituto de Biociências da USP (IB). Quarenta e sete anos depois, tornou-se professora titular de genética do IB e coordenadora do Centro de Pesquisa do Genona Humano e Células-Tronco (HuG-CELL).

Conheça transformações recentes na metrópole de São Paulo
CEM Podcast Reportagens

Conheça transformações recentes na metrópole de São Paulo

A Região Metropolitana de São Paulo é hoje mais diversa do que foi há 20 anos, mas continua profundamente desigual. Essa conclusão e pesquisas sobre como as desigualdades – de classe, de raça, de gênero, de educação, de infraestrutura – se reorganizaram durante esse período estão no livro “A Metrópole de São Paulo no Século XXI”, lançado pelo Centro de Estudos da Metrópole.

Aumenta isolamento de ricos, enquanto periferias estão mais diversificadas em SP
CEM Podcast

Aumenta isolamento de ricos, enquanto periferias estão mais diversificadas em SP

As periferias de São Paulo se tornaram mais diversificadas, reunindo moradores de diferentes classes sociais. Por outro lado, os mais ricos vivem em áreas com convivência cada vez mais restrita aos de mesma classe social. Eduardo Marques, Carolina Requena, também pesquisadora do CEM, e Luciana Royer, professora da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo (FAU-USP) explicam essas constatações.