Aos 11, criança não tem dúvida: adulto tem direito de mandar

Aos 11 anos, os pré-adolescentes se consideram bastante obedientes. Entendem que é um dever obedecer aos pais, aos professores e também à polícia. É o que aponta a primeira etapa de uma pesquisa que está sendo desenvolvida pelo Núcleo de Estudos da Violência da USP (NEV-USP), feita junto a um grupo de 800 jovens moradores da cidade de São Paulo. Para mais de 90% destes jovens, a obediência é um dever mesmo quando elas não concordam com as regras impostas pelas figuras de autoridade.

O objetivo da pesquisa do NEV é captar as transformações nas percepções dos adolescentes em relação às leis, às regras e à obrigação de obedecer os pais, professores e policiais. Para isso, eles pretendem monitorar as percepções deles ao longo dos próximos anos, com a aplicação de um questionário similar ao utilizado na primeira etapa.

“A ideia é seguir esse mesmo pré-adolescente dos 11 aos 15, 16 anos, perguntando basicamente as mesmas coisas”, explica o pesquisador Herbert Rodrigues.

As questões abordam a forma como os jovens entendem as regras e as leis, como veem as autoridades, se obedecem às regras ou se ao violam, qual é a visão de mundo da qual eles compartilham, entre outros temas. “A gente vai medindo isso ao longo do tempo e vai percebendo se houve alguma mudança”.

Mais de 90% dos jovens acreditam que devem obedecer aos pais, professores e policiais mesmo quando não concordam com as regras
Mais de 90% dos jovens acreditam que devem obedecer aos pais, professores e policiais mesmo quando não concordam com as regras

A esse tipo de pesquisa, que acompanha um mesmo sujeito por um longo período de tempo, se dá o nome de longitudinal. O recorte dos 11 aos 15 anos é proposital. É que a pré-adolescência é a época em que cada vez mais se deixa o espaço familiar para conviver em sociedade.

O trabalho faz parte do projeto de pesquisa do NEV no âmbito do programa CEPID – Centro de Pesquisa, Inovação e Difusão – da Fapesp. Desde 2013, o centro de pesquisa investiga como a legitimidade das instituições dentro de um regime democrático é construída a partir das interações cotidianas com a população. Saiba mais sobre o projeto de pesquisa do NEV.

Leia também:

Reportagem: Silvana Salles e Vitor Brandão | Edição: Silvana Salles e Vitor Brandão| Realização: Núcleo de Divulgação Científica da USP

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*