Fosfoetanolamina não é eficiente contra o câncer em pessoas

Paulo Hoff, diretor geral do Instituto do Câncer do Estado de São Paulo (Icesp), anunciou que o estudo em pessoas realizado pelo Instituto não comprovou a eficiência da fosfoetanolamina contra o câncer.

Dos 72 pacientes tratados com a substância, 59 já foram reavaliados e 58 não tiveram redução de pelo menos 30% no tamanho do tumor – essa taxa de redução é o critério para se considerar que houve resposta ao tratamento.

Um paciente, com melanoma (tipo de câncer de pele), melhorou. Veja trechos da entrevista com Paulo Hoff.

A mensagem que fica hoje é que, infelizmente, nas doses que estávamos estudando, o produto não é eficiente o suficiente para ser recomendado.

Critérios

Outro critério para considerar a substância válida é promover essa redução de 30% do tamanho do tumor em pelo menos 20% dos participantes do estudo.

Como o tratamento com fosfoetanolamina não teve os resultados mínimos exigidos, os médicos decidiram não incluir novos pacientes na pesquisa. Vinte pessoas continuam a receber a substância, seguindo o tempo de tratamento definido para esse teste clínico.

Inicialmente, a previsão era que o estudo envolveria 210 pessoas com 10 tipos diferentes de cânceres. Os testes foram acompanhados por uma comissão do professor Gilberto Chierice, químico que sugeriu o uso da fosfoetanolamina no combate a tumores.

 

 

Um comentário

  1. Humrrumm…. Os Estados Unidos é quem vai fabricar agora, isso é real viu! Hehehehe. Parece uma piada… Tenha certeza que vai chegar aqui no Brasil com fabricação nos EUA, porque quando é fabricado aqui não pode não. Verdadeiramente somo gados para esses caras! Os EUA não admite e nem permite que o Brasil cresça com relação a tecnologias espaciais. E agora com este remédio.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*