Geoglifos do Acre alimentam debate sobre proteção da Amazônia

O estudo de dois geoglifos localizados no Acre traz evidências de que nunca houve, naquela parte da Amazônia, desmatamento em dimensões semelhantes às atuais.

A pesquisadora Jennifer Watling, do Museu de Arqueologia e Etnologia da USP, é uma das autoras de um artigo publicado na edição de 21 de fevereiro da revista científica Proceedings of The National Academy of Sciences of The United States of America. O artigo descreve evidências arqueológicas e paleobotânicas de que os povos que construíram os geoglifos, cerca de 2 mil anos atrás, utilizavam técnicas de manejo florestal, criando uma floresta antropizada.

Geoglifos são desenhos geométricos de proporções gigantescas localizadas no solo e que configuram vestígios arqueológicos. Os mais famosos são as linhas de Nazca. Mas diferentemente do Peru, os geoglifos encontrados no Acre não foram originalmente feitos para serem vistos à distância.

“Onde as pessoas pensavam que a floresta era intocada, na verdade não era”, comenta Jennifer.

Atualmente, no Acre, o avanço do desmatamento tem revelado diversos geoglifos até então escondidos pela floresta. Os arqueólogos acreditam que esses geoglifos eram locais cerimoniais.

Leia também:

Um comentário

  1. Wonderful explaination of careful forest husbantry in the Amazon. There are many more geoglyph figures and earthworks to research, all pointing to a knowledge we ignore. There are especially large canals found in the rainforests as well as unique earthworks for water management.
    Excellent work.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*