Câncer elimina quimioterápico para sobreviver

Uma nova combinação de drogas conseguiu combater tumores de cérebro em camundongos. Chamado de glioma, esse tipo de câncer é um dos mais agressivos e, em muitos casos, resiste à quimioterapia.

A biomédica Clarissa Rocha descobriu que as células do tumor não morrem com o tratamento porque jogam fora o quimioterápico antes de que cause estragos ao DNA, em um processo que envolve a molécula glutationa. Ao bloquear a produção de glutationa com a substância biotinina sulfoximina (BSO), o câncer foi praticamente eliminado dos animais.

Prêmio

A pesquisa de doutorado de Clarissa venceu o prêmio Tese Destaque USP 2016 na categoria multidisciplinar. O trabalho foi realizado no Laboratório de Reparo de DNA, do Instituto de Ciências Biomédicas (ICB) da USP, sob orientação do biólogo Carlos Menck.

No vídeo, Clarissa e Menck contam sobre a descoberta do mecanismo de resistência, que envolve a glutationa e apresentam uma nova forma de marcar os genes: a luminescência.

2 comentários

  1. Boa tarde, em primeiro lugar meus parabéns pela pesquisa sobre o câncer de cérebro, meu nome é Tiago Fratta e sou membro secretário do Lions Clube de Sertãozinho Centenário, segui no facebook o CIÊNCIA USP, e tive a oportunidade em ver o seu vídeo sobre a pesquisa, estamos com uma jovem dentista aqui em nossa cidade com tumor no cérebro e por isso tomo a liberdade de me comunicar com você e saber se poderia muito nos ajudar neste momento de desespero que é para a família e ao mesmo tempo com uma grande esperança em conseguir qualidade de vida ou porque a cura. Por favor conto muito com o seu conhecimento para ajudarmos essa jovem mãe. Meu contao 16 99361 3444. Desde já agradeço.

    • Ana Paula Chinelli

      Olá, Tiago,
      muito obrigada pela mensagem e por acompanhar nossas reportagens pelo site e pelo Facebook. Assim que o senhor entrou em contato por telefone conosco, encaminhamos sua solicitação aos pesquisadores. A pesquisa que eles fazem, porém, é com modelos animais, ou seja, eles não fazem atendimento a pacientes. De qualquer forma, se houver alguma novidade que possa ajudar esse caso específico, eles sabem como entrar em contato. Muito obrigada novamente.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*